Musa  das Campinas

Extrema sensibilidade

Meu Diário
06/02/2015 13h23
MATO E ÁGUA

O sol brilha alto e descanso os olhos nas águas do rio.

 Passam sobre as pedras quebrando o silêncio,

Nada mais se ouve...

O vento sem tempo de descanso varre das copas altas

as folhas secas, suja o quintal que está limpo.

Prequiçosamente contemplo da varanda alguns

macaquinhos que correm de um galho a outro.

Como é lindo o movimento no mato e esse barulho das águas!

 

 

 


Publicado por Nativa em 06/02/2015 às 13h23
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
05/02/2015 14h48
SEMPRE

Em todo percurso sempre artista,

Sonho, invento, recrio...

Pinto as horas,

As palavras...

O louvor é doce por exigência,

Não admito amargo.

Para o descanso ouço piano,

Flauta para comunicar,

Viola para sorrir,

Batuque para festejar...

Viver é muito bom! Amo.

 


Publicado por Nativa em 05/02/2015 às 14h48
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
05/02/2015 14h31
AS EMOÇÕES

 

As minhas emoções correm como água do rio;

Frescas, cantantes... Espumosas propositais, para

limpeza das pedras que rolam no caminho acidentalmente.

Imprevisões...

Redemoinhos de sonhos permitem transpor.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Publicado por Nativa em 05/02/2015 às 14h31
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
05/02/2015 14h18
VIVO

 

Degusto a vida com

as suas cores e sabores,

postas, em dias, semanas...

Não faço escolhas...

Silenciosamente provo

de todas as belezas que

me são ofertadas.

Prazerosamente vivo.

 

 

 

 

 

 

 

 


Publicado por Nativa em 05/02/2015 às 14h18
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
23/12/2013 12h40
SEPULTAMENTO

Amanheceu um tempo cinza,

O ar bem triste e o vento com assobios

Tentando tirar a palmeira para dança.

Completamente incoveniente...

Na comunidade rostos tristes, missa de corpo presente.

Muita dor, muita mesmo. Despedidas, lágrimas dolorosas...

Entendi como vontade de Deus, é assim que entendo tudo que ocorre, desde o nacimento até a morte.

Minha alma apesar de sentida está em paz, a vida segue e precisa seguir,

até chegar o meu dia também.


Publicado por Nativa em 23/12/2013 às 12h40
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 5 de 6 1 2 3 4 5 6 [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras